quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Dançava a bailarina torta...




Hoje numa altura do dia, resolvi ouvir algumas trilhas sonoras que fiz download, mas que não ouvi até o final porque não tinha me identificado quando baixei.
Ultimamente andei sofrendo disso. Ouço músicas apenas uma ou duas vezes, porque não me identifico com nenhuma. Nada define o que eu vivo, porque talvez eu não esteja vivendo nada no momento. Mas é incômodo.

Enquanto ouvia o som, fui me desprendendo... Simplesmente deixei a melodia embalar meu corpo, e ao invés de dançar convencionalmente, fui mexendo o meu corpo de acordo com como eu me sentia.
Isso poderia ser uma terapia! Parece que as ideias se despregam da mente, como num efeito natural do corpo! Finalmente me senti um ser humano pensante e sensitivo.

E então eu não sabia mais se dançava, se me olhava balançar no espelho, ou se escrevia.

Por que a medida que crescemos, temos medo? Vocês se sentem igual a mim?
Comecei a girar e girar, como fazemos pra ficar chapados quando somos crianças. Senti um medo súbito, como se algo muito ruim pudesse me atacar. Continuei rodando, mas era como se eu estivesse sendo vigiada.
O mesmo medo absurdo que sinto de me olhar no espelho a meia luz.
E eu gostava antes... Mas hoje tenho medo...
Mas que bad trip.
De onde vem o medo?
Já faz duas noites que venho tendo pesadelos.

É verdade que só podemos nos livrar de um medo enfrentado-o. E descobrindo a raiz dele, se for insistente. Mas como eu deveria enfrenta-lo? Dormir até sonhar coisas agradáveis? Correr, pular e girar até a mania de perseguição passar?
Passar uma noite inteira me mirando no espelho, correndo e rodopiando?
Eu sinto como se fosse ter uma parada cardíaca que o pior acontecer.

Que pena que tudo que é bom, vem acompanhado de uma dose de algo ruim.
Mas estou feliz, é bom viver.




Dançava a bailarina torta,
dançava até o sol se pôr ...

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Sensible heart




"Esteja aqui ... Esteja aqui ... Mesmo se o mundo te pedir pra não ficar !"


Dizem que uma música só se torna bonita, se de algum modo ela fizer algum sentido pra você . Só assim então ela se torna boa ! Eu nem gostava dessa acima ...
Eu queria falar sobre todos os detalhes que vejo nele. Afinal, sou de virgem, é isso que faço melhor: ver detalhes .
São tantos, que fariam com que vocês o vissem como um personagem de desenho, ou filme ... Não é comum. Mas também não é bizarro. Apenas deve ter conteúdo e por isso é instigante!

Acordei cedo hoje, com o toque triste do despertador do celular dele. Inclusive, essa é uma das coisas que marcam a personalidade dele: parece alegre, mas é muito melancólico .
As vezes acho inclusive, que se parece comigo. O velho "não julgue a capa pelo sorriso". Não sei se essa frase já existia, criei recentemente e publiquei no tumblr.
Enfim, acordei ao som de Sensible Heart do City and Color no despertador do celular. Já vi que ele demora pra acordar, nem escuta o barulho ... Sou sempre eu que vou cutuca-lo e dizer "- hey, seu celular ..."
(Acorda, porra.)

E eu deslizo, eu voo num mar de lençóis

Essa música, Sensible Heart, que toca no despertador, parece que o traduz bem. Pelo menos é como eu o vejo ... Um cavalheiro solitário, escondido atrás de um humor bobo de mentira, que ele usa pra agradar. Sobrancelhas tensas, e um coração sensível . Muito sensível .
Nem acho que ele se esforça pra esconder esse coração, diferente dos outros capricornianos que conheço .
Ok
Estiloso e solitário, andando pela chuva em madrugadas escuras ...
Chapéu, colete, jeans apertado, fones de ouvido tocando "my sensible heart ... my sensible heart ...", os fones de ouvido que ele já cansou de perder. Pensando numa garota e deixando por alguns minutos todas as suas preocupações e frustrações verdadeiras de lado, bolando uma teoria da solidão .
Bolando uma teoria da solidão, com o seu bloquinho de notas, onde escreve tudo e mais um pouco, mas só tem sentido pra quem vê com o coração .
Onde eu estava ? Ah sim, com seus fones de ouvido, jaqueta jeans, camisa branca dos Beatles, cachecol preto, tatuagem no peito e marcas de guerreiro indígena .
Não consigo decidir entre colete e jaqueta .
Chuva ... Sempre sem guarda chuva .
Magro, precisa comer .
Tem dores de cabeça, precisa de um médico . Mas é turrão, diz que só precisa relaxar .

Ninguém sabe dele
só o mundo inteiro . culpa dele, claro .

Nunca mais direi o nome !
Nomes sujam ... Nomes acabam com o mistério ...
Nomes me envergonham depois que tudo acaba e só me restam os textos
Os textos e as explicações que devo a vocês, para só então recomeçar a melação, na maior cara de pau .

É meu novo segredo


E eu não queria parar de escrever .

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Derrotando meu monstro do armário


Estou naquele momento de "ressaca sei lá de quê", sabem?
Aquele momento que você perde a paciência com TUDO que vive ao seu redor! Não vê nada de produtivo nas pessoas. Elas nem precisam abrir a boca, você olha as fotos, as caras, as bocas … Tudo tão imbecil. Tudo leva sempre pra lugar nenhum!
Mas a culpa me faz perceber que nada disso estaria acontecendo, talvez, se a minha própria vida estivesse nos eixos. Se ela realmente estivesse tão melhor do que a das pessoas que digo serem tão vazias, que nem ao menos se preocupam em ser vazias, porque se sentem felizes sendo assim. Eu nem estaria me preocupando com a vida delas. Pois estaria muito ocupada com a minha!
Por um momento não encarei a realidade, por um momento não quis por isso para fora. Porque eu sei que a verdade dói, e dói ainda mais quando sou eu mesma que jogo isso na minha cara! Pois assim é a única forma de eu saber que não é equívoco. Pois me conheço muito melhor do que qualquer pessoa que queira me julgar! Mas sabem, depois que parei realmente pra pensar, e encarei essa realidade que parecia tão dolorida, me senti surpreendentemente leve, e absurdamente mais calma.
Quase.
Mas foi tão melhor!
Acho que essa foi uma das melhores provas de que encarar a realidade é melhor, a curto prazo!
Quem sabe isso não serve de inspiração pra qualquer um de vocês …




Boa noite.