segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

F.C.

Quando eu fecho meus olhos,
eu ouço suas asas de
veludo e quase choro.

Esta luz que vem
de você me
mantém respirando.

Oh, anjo
nós iremos nos encontrar
novamente. Eu
rezarei por isto.

E quando meus pecados
forem pagos
me prenda nas suas
asas e me segure
para sempre.



Anjo,
me liberte.
Anjo,
me leve embora.

Judas Priest de Thiago Facuri em Freezer Brain


Tão amiga, que nem se importaria mais tanto, em morrer ...
Pois tem esperanças de reencontra-lo.

Ao querido Felipe Couto, que jaz frio, com uma parte de mim.
Espero que aja vodka e tequila no céu! Pois você me deve um brinde, querido cúmplice !

5 comentários:

  1. Quando chegar a nossa vez, teremos festa no céu,brindaremos felizes pelos entes queridos que lá estão!Mas talvez, estaremos triste pelos que ficaram.A morte reparte,divide,separa.Por outro lado, a vida também.Resumindo! Vamos viver a vida e a morte de forma intensa, dentro de cada medida oferecida.Beijão de amigo e leitor:-BYJOTAN.

    ResponderExcluir
  2. Curti demais teu blog...
    tuas palavras me distraem!
    abraço com carinho1

    ResponderExcluir
  3. Poeminha chato e bobo. Que ilusao essa... Raladissimo! Bjo

    ResponderExcluir
  4. Tábata,sinto sua falta,te quero de novo,volte para os seios de seus amigos.Estou tão bem acompanhado, mas me sinto só, sem sua presença.Beijo,beijo,beijo do blogueiro que iniciou quase junto com você.:-BYJOTAN.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha obrigada pelo carinho!
      Não se preocupe, vou voltar a escrever!

      Desculpe o sumiço!

      Excluir