domingo, 6 de novembro de 2011

Perda

.










Não há o que dizer.
Nada vai consolar
Um vazio imenso
E a sensação de perda ...
Não leve a mal, seus passos eu não vou seguir
Prefiro festejar a dor
Prefiro louvar o dia que conheci alguém especial

Felipe Couto .

E chorar a cada ausência que eu não puder suportar
Mas me recuso
EU ME RECUSO
A acabar comigo mesma, pela falta de alguém
Pois não foi isso que eu preguei quando o conheci
Eu preguei que a vida sempre continua, e nós só precisamos dar valor as pequenas coisas para nos mantermos mais felizes ...
Então existe sim um vazio
Uma saudade que abriu um buraco no meio da minha barriga
Parece que quem recebeu a bala fui eu.


O desespero ... A sensação de abandono
A sensação de estar sozinha no mundo


Mãe, mãe
Mataram meu amigo
Mãe
Estou sozinha .

Mas não é verdade, é só saudade.
Saudade .
Até algum dia !


De todos os seus sorrisos, posso afirmar, que o maior
foi todo meu .

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

E ele estava lá ... Mas até quando ?



É irônico como a mesma mão que te ajuda a levantar, pode te derrubar de novo.
Mas na verdade, só cai quem quer.
É o velho ditado de ensinar a pescar ao invés de dar o peixe.
Mas até me acostumar a pescar sozinha, eu que aguente a solidão.
Todo fim é ruim não é ?
Outro amor se acabou.
Mas e quando o amor não acaba, é bloqueado ? O que vocês fariam ?
Chorariam ? Gritariam ? Implorariam ? Ou caminhariam na direção oposta ?
Eu tentei correr na contra mão. E claro que não deu certo.
Então voltei ao velho curso natural das coisas, após chorar e chorar como uma criança que não sabe porque está sendo punida .
Como a criança que apanha do seu herói ...

Ironia pura ...

Minhas metáforas estão ficando cada dia mais vulgares.
Nem são mais metáforas, parecem indiretas . Queria fazer poemas de verdade, mas só brinco com as palavras .

Espero que gostem

Estou avulsa ... Que pena.
Estou arrasada.
Não estou arrasada . Mas não estou feliz .
Eu tenho um desabafos "tensos" salvos em meus rascunhos, sempre espero o momento certo de publicar, para não ser injusta.
Mas o que é justo ?
É uma página antiga de um diário recente as linhas que eu escrevo aqui, e como sempre: me viro .
Não estava bom, mas eu me viro .
E depois que para de latejar, eu publico . Não vão pensar que eu emendo um romance no outro!
Mas quem pode me provar o contrário ?
E quem liga ?
É só um diário ... Sintam-se em casa, com meus desamores e amores ...
E alegrias eternas de 3 segundos ...

(Ouvi dizer que mulheres gostam mais de números ímpares ... Vai ver que é por isso que reclamam tanto de estarem se sentindo sozinhas ... )

Palavras machucam . Meu tio costumava dizer que certas palavras doem mais que um soco na cara .
Palavras são relevadas quando ditas da boca pra fora, mas ferem ainda assim .
Palavras tuas foram como navalhas em mim, mesmo que no julgamento final, tenham sido pra se defender de mim ...
Eu nunca quis me defender de ti ...

E ele estava lá ... Estava ...

Mas até quando ?
Eu não vejo mais ninguém agora ...